22.6.06

(...)à pergunta dela

...bastou-lhe responder o Sim.
– Sim, quero – foi o que disse nessa vez. Foi contudo, uma vez igual a tantas outras em que se sempre optara pelo talvez, pelo talvez sim, pelo talvez não ou pelo quem sabe?
Foi nessa inesperada vez, sentido-se guiado pela rubra luz e uma razão de todo inexistentes, que de uma assentada matou todos os fantasmas e deglutiu todos os demónios. Foi a partir desse inopinado ápice que a nova rebelada vida se lhe abriu de par em par. Foi a partir desse sempre temível Sim que perdeu para sempre o receio que lhe respondessem sobre a coisa alguma um Não.

5 Comments:

Anonymous João Esquecido said...

Boa!

6/22/2006 7:16 da tarde  
Blogger Arroz de Estragão said...

A tua escrita não para de melhorar! Gosto cada vez mais de te ler.

Um abraço

6/22/2006 11:16 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Looking for information and found it at this great site... Sisu renault trucks

3/06/2007 12:40 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Keep up the good work »

3/16/2007 2:09 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Excellent, love it! » » »

4/24/2007 1:34 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home