23.2.06

Café da Mañã XXII

No percurso de todos os dias, a neve cai, o silêncio paira, a tranquilidade rege e as expressões transpiram. No entanto, sem contemplações, o percurso termina onde a obrigação diária sempre impera: na porta do escritório. No subir de catorze graus e no baixar de catorze degraus, no sentar-me na secretária de sempre em frente ao monitor de sempre. Termina onde, em dias que também o de hoje, o pérfido mundo laboral tem na impérvia cava de onde vos escrevo, o local prolixo para vencer.

2 Comments:

Anonymous gertrudes da purificaçao, santa povoa de andriao said...

ai.....ai....andré!!!

2/23/2006 12:43 da tarde  
Anonymous je said...

é um prazer diário, quando chego a casa, vir aqui e ler-te, seja sobre o café que não te mando, os selos das cartas que não escrevo ou a mulher por quem me trocas! Um prazer como assobiar para te acordar, comer pão com cebola crua ou fazer suduku na tua sala! Foi um prazer ter-te tido...

2/23/2006 6:15 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home